10 mar

Perfil de Bolsonaro consolida liderança de interações em três plataformas em 2022, mas grupos de oposição são mais numerosos no Twitter

Atualizado em 14 de março, 2022 às 1:37 pm

  • Interações no perfil de Bolsonaro são amplamente superiores a de outros presidenciáveis no Twitter, Facebook e Instagram; Ciro Gomes assume a liderança de visualizações no YouTube;
  • Grupos de oposição do governo somam 54,6% dos perfis no Twitter, mas grupo bolsonarista reúne, sozinho, 53,8% das interações;
  • Tuítes sobre descriminalização do aborto na Colômbia aumentam interações de Bolsonaro; Lula surfa em memes; Ciro ataca Moro; Doria e Moro criticam posição do governo em relação à Guerra da Ucrânia.

As primeiras oito semanas de 2022 foram marcadas pelo restabelecimento da distância entre Bolsonaro e os outros presidenciáveis em termos de volume de interações em seus perfis no Twitter, Instagram e Facebook. No YouTube, destaca-se o canal do pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, que se estabeleceu como líder de visualizações na plataforma. Nesse período, Jair Bolsonaro (PL), Lula (PT), Sergio Moro (Podemos), João Doria (PSDB), Ciro Gomes (PDT), Simone Tebet (MDB) e Eduardo Leite (PSDB) somaram mais de 66,3 milhões de interações e 12,7 milhões de visualizações nas quatro plataformas analisadas.

Nas menções aos candidatos no Twitter, no entanto, há maior equilíbrio, com os conjuntos ligados a Bolsonaro e Lula ocupando cerca de 30% dos perfis do debate. A oposição ao governo também conta com 6,13% de perfis alinhados de centro-direita, alinhadas a Moro e Doria; 3,4% de perfis apoiadores de Ciro Gomes; e cerca 14,8% de perfis que rejeitam o atual governo sem estabelecer vínculo explícito com um pré-candidato específico. Seguindo padrão já observado ao longo de todo o governo, o conjunto bolsonarista se mantém como o mais ativo, reunindo mais de 53% das interações no período.

Já em relação às menções associadas a temas, nota-se forte associação entre Bolsonaro e Segurança por conta de pressões para a convocação de aprovados nos concursos da PF e PRF. Apesar de predominantemente ligado ao governo, o debate sobre infraestrutura também contou com menções positivas ao governo Lula. Já no tema saúde, condenações à descriminalização do aborto na Colômbia por parte de Bolsonaro se somaram a menções sobre os desdobramentos da pandemia no país.

Twitter

Mapa de interações de menções sobre os presidenciáveis no Twitter
Período: de 01 de fevereiro a 06 de março

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Azul ‒ 30,65% dos perfis | 53,8% das interações
Orbitando sob o perfil do presidenciável Jair Bolsonaro, @jairbolsonaro, esse grupo liderado pela ala conservadora lamenta a liberação do aborto até o 6° mês de gestação na Colômbia e, ainda, faz críticas a esquerda por apoiar tal liberação e por possivelmente desprezar a vida e os preceitos religiosos.

Vermelho ‒ 30,28% dos perfis | 24,4% das interações
Orbitando sob o perfil do presidenciável Lula, @lulaoficial, esse grupo reprova os ataques militares de um país contra o outro, enfatizando que nos tempos atuais os prejuízos de uma guerra poderiam ser sanados em mesa de negociação; retoma – em tom de saudosismo – obras realizadas no Nordeste e o investimento na agricultura – referindo-se, diretamente, às pessoas que não comem carne. Além disso, postagens repercutem a escolha de Geraldo Alckmin como o companheiro político de Lula nas eleições de 2022 e denominam a prisão do ex-presidente Lula como “injusta” e “ilegal”.

Lilás ‒ 6,13% dos perfis | 7,3% das interações
Orbitando sob os perfis dos presidenciáveis Sérgio Moro e João Doria (@sf_moro e @jdoriajr), esse grupo salienta escândalos de corrupção envolvendo o atual presidente brasileiro Bolsonaro e o ex-presidente Lula; critica a “neutralidade” do Brasil diante dos acontecimentos entre Rússia e Ucrânia e repudiam a fala do deputado Arthur do Val sobre as mulheres ucranianas. Além disso, postagens repercutem a atuação do governador de São Paulo no que diz respeito ao reajuste dos servidores públicos, possível superfaturamento na compra dos respiradores da China e críticas às obras do metrô.

Laranja ‒ 3,4% dos perfis | 4,5% das interações
Orbitando sob o perfil do presidenciável Ciro Gomes, @cirogomes, esse grupo reverbera as possíveis consequências para o Brasil diante do confronto entre Rússia e Ucrânia, salientando a fragilidade econômica e administrativa do governo federal; desaprova a possibilidade da criação e institucionalização de um Partido Nazista no Brasil; e, ainda, investe em críticas ao governo do ex-presidente Lula.

Verde ‒ 14,84% dos perfis | 3,5% das interações
Composto por um grupo heterogêneo, sobretudo perfis que veiculam informações que viralizam na internet – como memes; esse grupo – em tom de brincadeira e ironia – critica o posicionamento do governo federal frente aos acontecimentos entre Rússia e Ucrânia; repercute pesquisas eleitorais, salientando a liderança numérica da corrida presidencial para o presidenciável Lula e enfatizando a presença do presidenciável Jair Bolsonaro em segundo lugar. Postagens também ressoam posturas dos filhos de Jair Bolsonaro, denominando de “machistas”, “misóginas” e “ignorantes”.

Principais tuítes dos grupos no mapa de interações
Período: de 01 de fevereiro a 06 de março

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Evolução de temas com menções aos presidenciáveis no Twitter
Período: de 01 de fevereiro a 06 de março | Agregado por semana

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

  • O debate sobre segurança obteve o maior número de menções conjuntas com as arrobas dos presidenciáveis nas últimas cinco semanas. Jair Bolsonaro foi o pré-candidato mencionado nos principais tuítes do período, em mensagens que o pressionaram pela convocação de aprovados nos concursos para agente da PF e PRF. Esses tuítes se distribuíram com destaque por todo o período analisado.
  • No debate econômico, Lula obteve menções positivas na semana de 21 de fevereiro em tuítes que celebraram o programa Luz para Todos em críticas contra a privatização da Eletrobras. Já o governador de São Paulo, João Doria, foi mencionado em meio às pressões pela aprovação do PDL 22/2020, que busca sustar a declaração de déficit atuarial do Regime Próprio de Previdência do Estado de São Paulo, e a cobrança de contribuição adicional de aposentados e pensionistas.
  • Bolsonaro obteve diversas menções associadas ao tema de saúde nas semanas de 21 de fevereiro, quando criticou a descriminalização do aborto até a 24ª semana na Colômbia, e de 28 de fevereiro, quando divulgou reunião com o ministro Marcelo Queiroga e indicou a possibilidade de rebaixar para endemia a situaçao da Covid-19 no Brasil.
  • Já o pico de menções ao tema de meio ambiente na semana de 07 de fevereiro esteve associado a declarações críticas de Lula ao projeto do governo que busca autorizar a mineração em terras indígenas.

Evolução de interações nos perfis de presidenciáveis no Twitter
Período: de 3 de janeiro a 06 de março | Agregado por semana

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

  • O presidente Jair Bolsonaro obteve mais do que o dobro de interações do que o segundo presidenciável mais bem colocado, o ex-presidente Lula. A evolução semanal apresentou tendência de crescimento nas interações desde o início do ano. A semana do dia 21 de fevereiro atingiu o pico de interações no perfil de Bolsonaro, motivado por uma série de tuítes que lamentaram a descriminalização do aborto na Colômbia.
  • Todos os outros presidenciáveis apresentaram baixa oscilação no volume de interações ao longo do período, com destaque para a semana de 24 de janeiro, em que Ciro Gomes ultrapassou o volume de interações de Sergio Moro, ocupando a terceira colocação. Esse aumento de interações esteve associado a uma série de tuítes que repercutiram e criticaram duramente as suspeitas de um conflito de interesses na atuação advocatícia do ex-juiz Sergio Moro.
  • Os principais tuítes do ex-presidente Lula apresentaram temática muito fragmentada, com registros e repercussões esporádicas de eventos ocorridos na semana, como um encontro com a ex-presidenta Dilma Rousseff; declarações contra a guerra na Ucrânia; e mensagens bem humoradas em reação a manifestações de apoio à sua candidatura.

Facebook

Evolução de interações nos perfis de presidenciáveis no Facebook
Período: de 3 de janeiro a 06 de março | Agregado por semana

Fonte: Facebook | Elaboração: FGV DAPP

  • O Facebook é a rede em que o presidente Jair Bolsonaro apresenta a maior distância em relação aos outros presidenciáveis. O pico de menções foi obtido na primeira semana do ano, na esteira da internação de Bolsonaro em decorrência de problemas intestinais. A semana de 07 de fevereiro também apresentou alta de interações na esteira de publicações que condenaram o nazismo – em reação ao caso do Flow Podcast – , e divulgaram a inauguração de obras no nordeste.
  • Todos os outros pré-candidatos apresentaram grande estabilidade durante todo o período, com o único destaque para Lula, que figura isolado como o segundo presidenciável. O petista utilizou a rede para divulgar entrevistas a veículos de imprensa alternativa e rádios.

Instagram

Evolução de interações nos perfis de presidenciáveis no Instagram
Período: de 3 de janeiro a 06 de março | Agregado por semana

Fonte: Instagram | Elaboração: FGV DAPP

  • Jair Bolsonaro com distancia significativa dos demais presidenciáveis e tendência de crescimento na plataforma, obteve dois picos de engajamento acentuados associados à internação do presidente por conta de sua obstrução intestinal no dia 03/01; e no dia 21/02 com repercussão à descriminalização do aborto até 24 semanas de gestação na Colômbia.
  • Lula e Sergio Moro variaram de forma muito similar na distribuição no tempo e no volume de interações, exibindo estabilidade ao longo do período analisado. Moro, no entanto, tem exibido crescimento na plataforma. #MoroNoFlow, além de críticas direcionadas a Lula e Bolsonaro conduzem parcela majoritária de seu engajamento. A suspensão das ações penais contra Lula geraram engajamento expressivo ao presidenciável.
  • Apesar do alto volume de publicações, Ciro Gomes e João Doria têm desempenho inexpressivo na plataforma, aqui Ciro sendo inclusive superado pelo presidenciável Doria. Ciro concentrou parte majoritária de seu engajamento em críticas a Moro. Enquanto que Doria persiste com engajamento vinculado às campanhas de vacinação.

YouTube

Evolução de visualizações nos canais de presidenciáveis no YouTube
Período: de 3 de janeiro a 06 de março | Agregado por semana

Fonte: YouTube | Elaboração: FGV DAPP

  • Ciro Gomes, que já exibia destaque e crescimento na plataforma, consolida liderança e é o único presidenciável a superar Bolsonaro em engajamento, entre as redes analisadas.
  • Os picos de engajamento de Ciro estão vinculados a seus vídeos de “React do Cirão”, principalmente os que repercutiram a participação de Sergio Moro no Flow Podcast (24/01) e o encontro entre Bolsonaro e Putin na Rússia (14/02).
  • Apenas Ciro, Bolsonaro e Lula exibiram atividade e engajamento relevantes na plataforma. O engajamento de Bolsonaro persiste com a divulgação de suas lives semanais; Lula divulga vídeos e trechos de entrevistas no qual enfatiza prioridades de campanha e programa de governo.
Veja nossos amigos aqui porno, xnxxfr.org, xnxxyouporn, xxx, filme porno