26 maio

Pauta ambiental gera desencontro institucional e desgaste entre o governo e sua base digital

Debate sobre meio ambiente gera racha na base do governo, com críticas de apoiadores associados à defesa do meio ambiente

Atualizado em 13 de junho, 2023 às 4:03 pm

  • Debate político: Apesar da relatoria de um deputado do MDB, governo não escapa de críticas ao esvaziamento das pastas de Meio Ambiente e Povos Indígenas e em votação do PL 490, abrindo o primeiro grande atrito com setores progressistas;
  • Parlamentares: Em meio a uma profusão de aberturas de CPIs, partidos se organizam para organizar atenção e engajamento; CPI do MST ultrapassa a CPMI do 08 de janeiro em interações em posts de parlamentares e aponta para possível frente prioritária para a oposição.

 

Resumo da semana:

🔥 Em alta: Debate sobre meio ambiente gera racha na base do governo, com críticas de apoiadores associados à defesa do meio ambiente e cobranças em relação à promessas do período eleitoral. Foto da posse presidencial, em que Lula recebe a faixa de representantes do povo brasileiro, é utilizada para criticar o governo;
🧊 Em baixa: Com atuação constante e contundente no debate público digital, chama a atenção o sumiço de perfis alinhados à direita no debate sobre racismo contra o jogador Vinícius Jr., bem como no debate ambiental;
⚔️ Em disputa: Debate sobre a isenção de impostos para setor automobilístico mobiliza críticas de perfis liberais e perfis progressistas associados ao debate ambiental;
👀 Em aberto: Início dos trabalhos da CPMI do 08 de Janeiro pode ameaçar o protagonismo que a CPI do MST tem assumido no debate digital entre parlamentares. Tentativa de criminalizar o governo é estratégia comum da oposição em ambas as investigações.

 

Debate político no Twitter

 

Principais termos do debate ambiental no Twitter
Período: de 19 a 25 de maio

Fonte: Twitter | Elaboração: Escola de Comunicação, Mídia e Informação da FGV

 

  • Conflitos institucionais e divergências envolvendo políticas ambientais fomentaram críticas ao governo federal por apoiadores e opositores. No caso da negativa do Ibama ao pedido de exploração da Petrobras, as declarações de Marina Silva em defesa da competência técnica do órgão e a fala de Lula admitindo a possibilidade de exploração geraram acalorado debate sobre o grau de respeito do governo ao parecer do Ibama e ao desenvolvimento sustentável;
  • A principal pauta foi a votação pela urgência do PL do Marco Temporal. Chamado de “genocídio legislado” pelo campo progressista, o caso gerou divisão em torno da atribuição de responsabilidade. A bancada ruralista é alvo compartilhado entre o grupo, mas parcela do campo destacou a atitude do governo em liberar a bancada para a votação, o que se somaria à “conivência” em permitir o “desmonte” das pastas ambientais na aprovação da MP 1154/23, enquanto outros defendem o governo e reforçam que a direita e o centro, bolsonaristas, controlam o parlamento;
  • Em geral, a oposição utilizou os casos para acusar atores do governo, como Randolfe Rodrigues, de hipocrisia e falso ambientalismo. Além disso, a postura do Congresso seria prova de que a Casa é capaz de se sobrepor às bandeiras do Palácio do Planalto, minimizando assim a responsabilidade de Bolsonaro pelas críticas de ambientalistas sofridas.

 

Debate parlamentar no Facebook

Principais partidos no debate sobre CPIs no Facebook
Período: de 19 a 25 de maio | Quantidade de publicações: 187

Fonte: Facebook | Elaboração: Escola de Comunicação, Mídia e Informação da FGV

 

  • A CPMI do 8 de Janeiro foi tema de partidos variados em 112 publicações. Em volume de postagens, houve protagonismo de parlamentares do PT (43), mas a base do Partido Liberal se sobressaiu com as interações alcançadas em 25 posts. A instalação da CPMI impulsionou fortemente a pauta: 95 publicações datam do dia 25. Mantendo as linhas narrativas adotadas a respeito da investigação, parlamentares destacaram trechos da sessão de abertura;
  • A CPI do MST mobilizou o maior conjunto de publicações (146) e interações do período, já que diversos trechos das duas sessões ocorridas durante a semana foram compartilhados pelos parlamentares. Os destaques às falas e acontecimentos no âmbito das reuniões reforçam a polarização em torno da investigação, com êxito do PL em superar o PT com menos posts (34 a 41);
  • A alta no debate ambiental não reverberou em forte atenção parlamentar à CPI das ONGs. Em única publicação, o parlamentar Marcio Bittar (UNIÃO) celebrou a sua indicação como titular da Comissão.