16 jan

Motivo de polêmica no Twitter, vacinação infantil contabiliza mais de 270 mil postagens na plataforma em uma semana

Atualizado em 24 de janeiro, 2022 às 11:09 am

  • Maioria no Twitter (total de 53,1% dos perfis), grupos favoráveis à imunização de crianças contra a Covid-19 concentram ataques a declarações do pastor Silas Malafaia, que classificou a decisão como ‘infanticídio’;
  • Base partidária de direita se isola ao condenar a eventual obrigatoriedade da vacinação infantil no Brasil, com alegações de que caberia aos pais ‒ e não ao Estado ‒ decisões sobre os próprios filhos.

Entre as 16h de 07 de janeiro e as 16h de 14 de janeiro, foram identificadas 277,1 mil postagens no Twitter com referência à vacinação de crianças contra a Covid-19 no Brasil. Momento de maior mobilização do debate ‒ com 65,4 mil tuítes ‒ acontece na terça (11), quando se intensificam mensagens favoráveis à imunização infantil em resposta a declarações do pastor Silas Malafaia, dias anteriores, em que classificava a aplicação de vacinas em crianças como infanticídio. Além de críticas às falas do líder evangélico, postagens a favor da vacinação infantil mencionam o número de casos e de mortes pela doença entre crianças no Brasil, bem como o exemplo de outros países que já teriam adotado a medida, para defender a decisão. As hashtags de maior engajamento no período analisado são #derrubamalafaia e #derrubemalafaia ‒ campanhas para que o Twitter suspenda a conta do pastor ‒, que aparecem em 41,4 mil e 2,3 mil postagens, respectivamente; e #vacinaparacriancasja, usada em 2,3 mil tuítes.

Mapa de interações do debate sobre vacinação infantil no Twitter
Período: das 16h de 07 de janeiro às 16h de 14 de janeiro

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Azul ‒ 30,2% dos perfis | 37,2% das interações
Ancorado em políticos, empresários e blogueiros conservadores, grupo condena a eventual obrigatoriedade da vacinação infantil no Brasil, com alegações de que o suposto caráter “experimental” dos imunizantes colocaria em risco a saúde e a vida das crianças. Dirigindo ataques sobretudo à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que autorizou a medida, muitas postagens defendem que o Estado não pode retirar dos pais o direito de tomar decisões sobre os próprios filhos ‒ nesse caso, no que se refere à sua vacinação. Nas críticas ao órgão, menciona-se o fato de a Agência não ter sido clara quanto aos estudos e testes que teriam chancelado à decisão, ou de ter se isentado de responsabilidade em caso de quaisquer efeitos colaterais nas crianças.

Vermelho ‒ 30,2% dos perfis | 35,2% das interações
Orbitando canais de mídia alternativa, ativistas políticos e profissionais de saúde, grupo se engaja em campanhas para que o Twitter suspenda a conta do pastor Silas Malafaia, após declarações do líder evangélico classificando a vacinação infantil como infanticídio. Perfis também parabenizam a postura do presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, que exigiu retratação do presidente Jair Bolsonaro, após declarações suas contrárias à imunização de crianças e ataques à instituição. Teve forte repercussão, ainda, a notícia da primeira criança brasileira a receber a vacina contra a Covid-19: Davi, um indígena de 8 anos.

Verde ‒ 11,1% dos perfis | 7,7% das interações
Mobilizado por profissionais da área da saúde, canais de comunicação e usuários comuns, postagens evidenciam a eficácia da vacina no que diz respeito a redução da taxa de mortalidade em decorrência do vírus, salientando que apesar do aumento de casos diários da Covid-19 em 2022, houve redução – de 10% – nos dados de mortalidade; mencionam o possível descaso do governo federal em relação à vacinação infantil e, ainda, apontam a deliberação da vacinação infantil prevista na Constituição brasileira no âmbito da guarda das crianças.

Lilás‒ 6,4% dos perfis | 4,6% das interações
Composto por ativistas políticos e sociais, grupo questiona posicionamentos que contestam a segurança das vacinas em crianças, chamando a atenção para o fato de que crianças no Brasil estariam expostas a riscos maiores em função do uso indiscriminado de agrotóxicos no país. Com participação relativamente significativa no grupo, ainda, o prefeito de São Luís divulga informações sobre a vacinação infantil na capital maranhense.

Laranja ‒ 5,4% dos perfis | 3,8% das interações
Com perfis de usuários comuns, grupo gira em torno de um tuíte viral que ironiza opiniões contrárias à vacinação infantil ‒ sobretudo, as que levantam suspeitas sobre a composição dos imunizantes e os seus efeitos no longo prazo ‒, evocando a suposta despreocupação dos pais em relação a alimentos industrializados que os filhos geralmente consomem. Muitas postagens, ainda, celebram o início da vacinação de crianças no Brasil.