Veja nossos amigos aqui nimfomane.org, xnxxfr.org, fucktube, xnxxyouporn, xxx, filme porno
25 mar

Imprensa ganha espaço em debate sobre COVID-19 em Youtube e Whatsapp; base bolsonarista mira China para orientar reação

DAPP Report dessa semana mostra que o grupo pró-governo continua com baixo volume de interações no Twitter, variando entre 6% e 8% das discussões, superado pela esquerda

Atualizado em 25 de março, 2020 às 10:53 am

Grupo pró-Bolsonaro mantém baixo volume de interações no Twitter, oscilando entre 6% e 8% das discussões, superado pela esquerda; grupo central amplo, também com visão crítica sobre o presidente, segue como principal mobilizador. Desinformação cai em todas as principais plataformas, substituída por veículos jornalísticos. 

Youtube e WhatsApp: imprensa em alta
Ambas, em geral, são as fontes de maior propagação de notícias falsas, conteúdo acusatório (ou apócrifo) e teorias da conspiração. Isso se verificou no começo do debate sobre o COVID-19 no país, mas, ao longo da última semana, houve queda de engajamento em desinformação no site e no aplicativo. Dentre os vídeos mais assistidos do Youtube no período, quase todos são de veículos jornalísticos, e mesmo em grupos políticos do WhatsApp o link mais compartilhado nos últimos sete dias foi a plataforma brasileira coronabr.com.br, de auxílio diagnóstico;

Os ataques à China
Em contraposição, persiste forte atividade de produção de conteúdos, por influenciadores da ala alinhada a Olavo de Carvalho, de culpabilização da China em relação à pandemia, sobretudo no WhatsApp. Esse recorte temático é hoje central ao engajamento da direita nas redes sobre o vírus;

Estabilização do debate público no Twitter

Desde o fim da última semana, mantém-se oscilando em 4,5 milhões de menções/dia no Twitter ao coronavírus no Brasil, com destaque a pautas sobre quarentena, ação política, cuidados de higiene e de manifestações a favor e contra o governo — os “panelaços”, que, até agora, estão em vantagem para grupos de oposição a Bolsonaro na disputa digital por engajamento.

2,2 milhões foi o número de tuítes no debate brasileiro sobre o COVID-19, em uma semana, sobre a China e o embate diplomático entre o deputado Eduardo Bolsonaro e a embaixada do país no Brasil.

 

Sobre a metodologia deste trabalho

Sobre a equipe