31 out

#DebateEnRedes: o Brasil foi o país que mais comentou no Twitter a eleição presidencial argentina

Por Mariela García

Atualizado em 28 de janeiro, 2020 às 4:01 pm

Se você tem só alguns segundos, leia estas linhas:

  • A nível global, o pico de atividade foi registrado quando Mauricio Macri falava de dentro do bunker da Juntos por el Cambio (Juntos pela Mudança).
  • Tuítes de Luis Inácio Lula da Silva e uma conta falsa de José Mujica ficaram entre os mais retuitados.
  • A parabenização de Sebastián Piñera a Alberto Fernández foi o tuíte que recebeu mais respostas.

Excluindo a Argentina, de acordo com dados obtidos no Trendsmap, entre as 8h de domingo, 27 de outubro, e as 8h de terça-feira, 29 de outubro, foram registrados 507.400 tuítes relacionados às eleições presidenciais em todo o mundo. No período analisado, o número máximo de mensagens publicadas por minuto foi de 870. Deve-se notar que foram pesquisadas as palavras-chave das eleições em espanhol e as contas e nomes dos candidatos, de modo que as mensagens em outros idiomas são deixadas de fora da análise.

No gráfico pode-se ver os países em que, no Twitter, falou-se sobre as eleições argentinas no domingo passado. Quanto mais escura a cor, maior a conversa. O mapa de calor ajuda a detectar a olho nu o local de maior origem de tuítes. Para isso, o Trendsmap combina geolocalização e outras informações, tais como dados biográficos ou referências linguísticas.

Das mensagens, 19% foram publicadas no Brasil, seguido pela Venezuela (15%) e Estados Unidos (9%).

Tuítes sobre a eleição presidencial argentina em outros países

Os dados referem-se à atividade no Twitter entre as 8h da manhã de domingo, 27 de outubro de 2019, e as 8h da manhã de terça-feira, 29 de outubro de 2019.
Fonte: Elaborado pelo Chequeado a partir da busca de palavras-chave e das contas dos candidatos a presidente. Excluiu-se a Argentina.

Vale lembrar que no Brasil, principal parceiro econômico da Argentina, o presidente, Jair Bolsonaro, se opôs em várias ocasiões ao presidente eleito pela Frente de Todos, Alberto Fernández (veja aqui e aqui). Além disso, na semana passada, ele ameaçou propor a suspensão da Argentina do Mercado Comum do Sul (Mercosul) – cuja presidência temporária está nas mãos do Brasil – caso Fernández vencesse.

No que diz respeito à Venezuela, as críticas mútuas entre Mauricio Macri e o presidente Nicolás Maduro são bem conhecidas (veja aqui, aqui e aqui). Da mesma forma, a relação com a Venezuela foi um dos temas mais comentados no Twitter sobre o primeiro debate presidencial. De fato, a quarta mensagem mais retuitada foi publicada pelo usuário @marcotuitana, da Venezuela, que falou sobre a “pilhagem kirchnerista” e qualificou como “incrível” o resultado eleitoral. A mensagem foi retuitada 11.116 vezes e salva 26.565 vezes.

Além disso, um dos tuítes mais citados foi o cumprimento do presidente venezuelano a Fernández e Cristina Fernández de Kirchner por terem “derrotado o neoliberalismo do FMI”. Quando os usuários citam uma publicação no Twitter, eles podem adicionar um comentário à mensagem original, seja para concordar, criticar ou adicionar informações. Por exemplo, Fernández citou o tuíte de Maduro para agradecer-lhe seus cumprimentos, para insistir que a América Latina trabalhe “unida para superar a pobreza e a desigualdade”, e para acrescentar que “o pleno uso da democracia é o caminho para alcançá-la”.

Tuíte: Parabéns ao heroico povo argentino! Num exercício democrático histórico, derrotaram o neoliberalismo do FMI. A vitória contundente de @alferdez e @CFKArgentina abre o horizonte de esperança para um futuro melhor para a Argentina. Um abraço, Alberto e Cristina!

O pico de maior atividade foi registrado às 22h30 do domingo com 11.163 tuítes. Nesse momento, o presidente Macri falava de dentro de seu bunker (local onde aguardava o resultado das eleições com sua equipe) junto com Miguel Ángel Pichetto, e reconheceu a derrota da Juntos por el Cambio. “Mais unidos do que nunca estaremos lá para defender os valores em que acreditamos”, enfatizou. Depois disso, as interações no Twitter diminuíram significativamente. Na segunda-feira de manhã, a conversa foi ativada novamente, mas não voltou aos níveis anteriores.

Número de tuítes publicados globalmente sobre as eleições presidenciais na Argentina

Os dados referem-se à atividade no Twitter entre as 8h da manhã de domingo, 27 de outubro de 2019, e as 8h da manhã de terça-feira, 29 de outubro de 2019.
Os números mostram a quantidade de tuítes no mundo, com exceção da Argentina, a cada 15 minutos.
Fonte: Elaborado pelo Chequeado a partir da busca de palavras-chave e das contas dos candidatos a presidente.

Além disso, foi detectado que a palavra mais mencionada foi “macri”, em 30% dos 507.400 tuítes. Logo depois, 24% dos tuítes continham a palavra “argentina”; 15% continham “alberto” ou “fernández”; e 9% continham “presidente” ou “cristina”.

Assim como nas interações na Argentina, a mensagem mais retuitada foi publicada pelo usuário @rabcoff20, conhecido como “Back”, que se define em seu perfil no Twitter como “Licenciado em Cinesiologia e Fisiatria” e tem 438 seguidores. Uma publicação que criticava o comportamento do eleitorado geral recebeu 42.638 retuites e foi salva 134.930 vezes.

Tuíte: Eles votaram em Macri para tirar Cristina de lá e agora votam em Cristina para tirar Macri de lá, viram que a Argentina não avança porque somos uns otários de merda?

Em segundo lugar ficou o tuíte do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, que compartilhou o momento em que, de seu bunker, Fernández pediu sua liberdade. Foi retuitado 9.477 vezes e recebeu 41.648 curtidas. Em terceiro lugar ficou o tuíte de uma conta falsa do ex-presidente uruguaio José Mujica (ver Reverso), que atingiu 18.190 retuítes e foi salva 64.968 com os parabéns a Fernández.

Observe que o Trendsmap também ordena os mais retuitados com base em outras variáveis, como o número de seguidores da conta emissora do tuíte.

No ranking das mensagens mais respondidas pelos usuários, a felicitação do presidente chileno Sebastián Piñera a Fernández ficou em primeiro lugar, seguida pelos parabéns pelo aniversário que o presidente eleito publicou para Lula. Esta mensagem foi replicada tanto na Argentina como no Brasil com expressões a favor e contra os dois protagonistas. Em terceiro, ficou a mensagem de Macri após o encerramento das eleições.

Por último, o autor do tuíte sobre as eleições presidenciais na Argentina que mais conseguiu influência por causa de seu número de seguidores (quase 8.500.000) foi o jornal francês Le Monde (@lemondefr). Isso se deve ao fato de que na terça-feira passada foi publicada uma nota na qual indica quais políticas econômicas o binômio Fernández poderia realizar.

Tuíte

*A Sala de Democracia Digital é uma ação da FGV DAPP, em parceria com Chequeado, na Argentina, Linterna Verde, na Colômbia e Ojo Público, no Peru. Nós monitoramos o debate público nas redes sociais pela América Latina

A análise original está disponível no site do Chequeado aqui.