Veja nossos amigos aqui nimfomane.org, xnxxfr.org, fucktube, xnxxyouporn, xxx, filme porno
23 out

#DebateEnRedes: no Twitter argentino os temas mais discutidos do debate presidencial foram Emprego, Infraestrutura e Segurança

Por Celeste Gómez Wagner e Mariela García

Atualizado em 28 de janeiro, 2020 às 4:10 pm

Se você tem só alguns segundos, leia estas linhas:

  • Macri, Fernández e Lavagna foram mencionados em tuítes sobre a situação dos empregos ou acusações de corrupção.
  • Espert e Gómez Centurión foram vinculados ao eixo da Segurança.
  • A hashtag #MacriPresidente bateu, de longe, a #AlbertoPresidente.

No domingo, 20 de outubro, foi realizado o segundo debate eleitoral obrigatório para as eleições presidenciais do dia 27. Os seis candidatos debateram na Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires (UBA) sobre Segurança; Emprego, Produção e Infraestrutura; Federalismo, Qualidade Institucional e Papel do Estado; e Desenvolvimento Social, Meio Ambiente e Moradia.

O debate foi acompanhado e comentado no Twitter. Aqui são apresentados os eixos temáticos mais comentados e em qual deles cada candidato se destacou, assim como as palavras, frases ou hashtags mais utilizadas pelos usuários da rede social.

Do início do debate até 24 horas depois, o eixo Emprego, Produção e Infraestrutura foi o mais mencionado (34%). Os dois candidatos mais votados nas eleições primárias (as PASO) – Fernández e Macri – trocaram acusações de corrupção em obras públicas e protagonizaram um dos momentos mais comentados da noite.

Fernández associou o “Clã Macri” e o pai do presidente à corrupção. Macri considerou “de muito mau gosto citar uma pessoa que já não está neste mundo e não pode se defender”. Em seguida, relembrou pessoas relacionadas ao anterior governo acusadas de crimes de corrupção, como Lázaro Báez e o ex-secretário de Obras Públicas, José López.

Além disso, em outra participação, disse: “As obras públicas eram uma matriz de corrupção. Eles roubaram o dinheiro das obras e não sou eu quem está dizendo, são os juízes que condenaram De Vido, Jaime e López. Assim como Lavagna, que renunciou denunciando isso”. José Luis Espert também criticou o candidato da Frente de Todos, questionando diretamente Fernández: “Você não viu nada ou foi cúmplice disso?”.

O segundo tema mais bem classificado foi Segurança, com 28% das menções. Os candidatos usaram os termos “rápido no gatilho” e narcotráfico mais de uma vez. Além disso, Macri e Del Caño se referiram, com visões opostas, a Santiago Maldonado, o jovem que apareceu afogado em 17 de outubro de 2017 em Cushamen (Chubut). Del Caño culpou a Gendarmería (força de segurança da Argentina); Macri disse que as acusações foram “um ataque claro a uma instituição que é bem conhecida por seu trabalho contra o narcotráfico”.

Em terceiro lugar ficou o Federalismo, a Qualidade Institucional e o Papel do Estado (24%), momento em que se discutiu a coparticipação e o vínculo com os governadores. Durante esse bloco, Espert disse a Macri e Fernández: “Meninos, se abracem. Vocês não são tão diferentes”, o que gerou vários tuítes.

Finalmente, por último, ficou o eixo de Desenvolvimento Social, Meio Ambiente e Moradia (14%), onde uma das questões mais mencionadas pelos candidatos foram as dificuldades enfrentadas por aqueles que acessaram créditos hipotecários UVA (Unidad de Valor Adquisitivo, ferramenta financeira criada pelo Banco Central argentino) e Fernández anunciou que criará o Ministério da Habitação se eleito presidente.

A partir do estudo das menções aos candidatos de acordo com os eixos temáticos (menções que podem ser positivas, negativas ou neutras), foi detectado que o presidente, Fernández, e Lavagna se destacaram em relação aos temas Emprego, Produção e Infraestrutura. Os usuários comentaram as discussões dos candidatos sobre o atual mercado de trabalho e acusações de corrupção relacionadas a obras públicas e investimentos em infraestrutura.

Espert e Gómez Centurión, enquanto isso, receberam mais menções ligadas à Segurança. O primeiro manifestou-se contra o “garantismo” e propôs a redução da maioridade penal para 14 anos. Além disso, criticou os fechamentos de ruas e alertou: “grevista que corta a rua ou a rota, acaba preso. Grabois que se cuide, hein” (em referência a Juan Grabois, líder da Confederação dos Trabalhadores da Economia Popular – CTEP). Por sua vez, o candidato da Frente NOS referiu-se principalmente à luta contra o narcotráfico e enfatizou: “Essa guerra deve ser vencida, não importa quem caia”.

Menções dos candidatos no Twitter de acordo com os temas do segundo debate presidencial

Segurança
Empregos
Federalismo
Desenvolvimento Social

Os dados referem-se à atividade no Twitter entre as 21h de domingo, dia 20, e as 21h de segunda-feira, 21 de outubro de 2019.
Fonte: Elaborado pelo Chequeado a partir da busca de palavras-chave e das contas dos candidatos a presidente.

Del Caño recebeu o mesmo número de menções nos eixos Emprego, Produção e Infraestrutura e Segurança. Ele propôs a criação de um trabalho “genuíno” e criticou a ministra da Segurança Nacional, Patricia Bullrich, que ele descreveu como “politicamente responsável pelas repressões que terminaram com as mortes de Santiago Maldonado e Rafael Nahuel”.

Quase todos os candidatos, com exceção de Del Caño, receberam o menor número de menções no eixo Desenvolvimento Social, Meio Ambiente e Moradia.

Por outro lado, a partir da análise dos trending topics, ou seja, dos tópicos mais comentados do momento no Twitter, foi registrado que os tuítes vinculados ao candidato Fernández estavam relacionados a “Vá trabalhar como jornalista” (frase dita por Alberto Fernández a Rodrigo Jorge, da rádio Mitre, na segunda-feira após o debate) e “corrupção do governo” (já que Macri e Fernández trocaram várias acusações de corrupção).

Dos tuítes relacionados a Mauricio Macri, os trending topics foram “Alberto Fernández”, com quem ele debateu em várias ocasiões sobre a situação do país quando ele chegou no governo e nos dias atuais, e “mandato Macri”, em relação ao balanço dos quatro anos da sua administração.

Sobre Espert, os tuítes incluíram os temas “Nico del Caño”, “votar em Espert” e “Alberto Fernández”; sobre Gómez Centurión, vários tuítes vinculavam ele e Espert como dois candidatos próximos em suas posições políticas. Dos tuítes relacionados com Lavagna as tendências foram “Candidato Lavagna”, “Roberto Lavagna” e “Gómez Centurión”. Por último, para Del Caño, os trending topics foram “Alberto Fernández”, “Nico del Caño” e “Macri e Fernández”.

Em resumo, o trending topic “Alberto Fernández” esteve presente na maioria dos tuítes em que Macri, Espert e Del Caño foram mencionados. Na mesma linha, “Alberto Fernández” foi a frase mais mencionada sobre o debate no Twitter, sem contar a hashtag oficial #DebateAr2019. O pódio é completado por #macripresidente – impulsionado a partir da conta oficial da Juntos por el Cambio (Juntos pela Mudança), @juntoscambioar – e “corrupção”, um dos eixos da discussão.

A Frente de Todos foi impulsionada a partir da conta oficial #AlbertoPresidente, mas foi a décima segunda na lista completa de hashtags, palavras e frases mais usadas.

*Para o gráfico a seguir, as hashtags genéricas #DebateAr2019, #DebatePresidencial2019, #DebateArg2019, #DebatePresidencial e #Debate2019 foram retiradas.

Sobre a metodologia: Os dados para a análise foram obtidos seguindo a metodologia desenvolvida pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP). Foi desenvolvido um filtro de pesquisa geral que guarda tuítes com palavras-chave, hashtags e menções a candidatos, eleições e debates. Para a análise temática, foram geradas regras de pesquisa que incluem também outros termos específicos utilizados nos textos dos candidatos e/ou surgidos do debate no Twitter.

*A Sala de Democracia Digital é uma ação da FGV DAPP, em parceria com Chequeado, na Argentina, Linterna Verde, na Colômbia e Ojo Público, no Peru. Nós monitoramos o debate público nas redes sociais pela América Latina

A análise original está disponível no site do Chequeado aqui.