29 jun

Debate sobre o Plano Diretor de São Paulo tende ao equilíbrio, mas tem preponderância de grupos favoráveis ao projeto no Twitter

Atualizado em 6 de julho, 2023 às 10:13 am

  • Na rede, o debate se concentrou nas figuras de Tarcísio de Freitas e Guilherme Boulos. Enquanto os grupos favoráveis ao Plano Diretor Estratégico somaram 33% dos perfis e 32,6% das interações, os perfis críticos ao projeto tiveram 26,2% e 30,6%, respectivamente.

Durante o mês de junho, o debate sobre a revisão do Plano Diretor Estratégico (PDE) de São Paulo mobilizou de maneira semelhante usuários contra e a favor do projeto. No entanto, perfis alinhados a políticos de direita e favoráveis à aprovação do PDE tiveram um pouco mais de aderência no Twitter, somando 33% dos perfis e 32,6% das interações, enquanto os perfis alinhados a políticos de esquerda tiveram 26,2% e 30,6% das respectivas categorias. É o que mostra o levantamento da Escola de Comunicação, Mídia e Informação da FGV, que analisou 11 mil postagens sobre o tema no Twitter entre 1º e 28 de junho. Ainda foram analisadas 1588 postagens de perfis e grupos públicos do Facebook e 322 oriundas de contas abertas do Instagram, redes que também sinalizam uma disputa acirrada a respeito do tema.

 

Twitter

Mapa de interações sobre o Plano Diretor Estratégico de São Paulo no Twitter
Período: de 1º a 28 de junho
Total: 11 mil tuítes

Fonte: Twitter | Elaboração: Escola de Comunicação, Mídia e Informaçã Mapa de interações sobre o Plano Diretor Estratégico de São Paulo no Twitter

 

Cluster 1 – 23,8% de perfis | 23,7% de interações
O conjunto de perfis orbita em torno do governador Tarcísio de Freitas (REPUBLICANOS) e, de maneira pouco significativa, do prefeito Ricardo Nunes (MDB). Mesmo não se pronunciando a respeito do Plano Diretor Estratégico de São Paulo no Twitter, o governador ganha centralidade na discussão ao ser interpelado por usuários que o incluem no debate, seja para apoiá-lo ou criticá-lo. Há, por exemplo, respostas que tentam minimizar as críticas dirigidas a ele sobre o tema por se tratar de um projeto municipal, e não estadual. Esse movimento ressalta a alta capilaridade do governador na rede. Anúncios a respeito da mudança de órgãos governamentais para o Centro da capital, por exemplo, amplificaram o seu protagonismo no debate urbanístico, com alta aprovação de seus seguidores. Já Nunes, que também optou por não repercutir o PDE no Twitter, apresentou alcance quase inexpressivo na rede.

Cluster 2 – 15,3% de perfis | 19,2% de interações
O deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP) é o eixo principal desse grupo, que concentra críticas ao PDE e discorre sobre suas possíveis consequências. Aponta-se, por exemplo, que o PDE aprofundaria a crise habitacional da capital ao dificultar a construção de moradias populares e permitir despejos e remoções em áreas ocupadas. Em menor grau, o deputado estadual Simão Pedro (PT) também teve relevância na discussão. Ainda circulou no grupo a notícia de que o vereador Adilson Amadeu (UNIÃO) teria declarado a um sindicato de construtoras que o prefeito teria feito “o que elas queriam” e, por isso, mereceria uma “contrapartida”.

Cluster 3 – 6,4% de perfis | 6,9% de interações
Liderado pela deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP), o grupo reúne jornalistas, influenciadores e perfis de cunho militante e/ou acadêmico, como o @LabcidadeFAUUSP. No grupo, foram registradas críticas ao PDE e a mudanças urbanísticas na cidade em geral, como a migração de órgãos do governo para a região central, tema no qual Hilton teve alto alcance. Assim como no cluster 2, afirma-se que a aprovação do PDE teria efeitos negativos para a cidade, como a descaracterização do espaço urbano e uma maior restrição de moradias populares.

Cluster 4 – 4,7% de perfis | 4,4% de interações
O grupo aglutina perfis de usuários comuns e de políticos conservadores, como o deputado estadual Danilo Balas (PL), que participam do debate urbanístico e partilham de uma perspectiva positiva em relação ao PDE.

Cluster 5 – 4,5% de perfis | 4,4% de interações
Também conservador, o conjunto de perfis é capitaneado pelos vereadores de São Paulo Rubinho Nunes (UNIÃO) e Fernando Holiday (REPUBLICANOS), que se posicionaram enfaticamente a favor do PDE. Ambos celebraram a aprovação do projeto na Câmara Municipal e mencionaram supostos benefícios, como moradias mais baratas na região central e estrutura de transporte devida tendo em vista o adensamento populacional. Rubinho Nunes ainda ressaltou que o PDE corrigiria “erros históricos” que teriam sido cometidos pelo Partido dos Trabalhadores.

Cluster 6 – 4,3% de perfis | 4,5% de interações
A deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) está à frente do grupo, que ainda conta com perfis comuns e influenciadores progressistas. Bomfim se posicionou contra o PDE e afirmou que a cidade não estaria à venda para as construtoras. A política ainda destacou a atuação da bancada do PSOL a nível municipal para tentar barrar o projeto, especialmente a vereadora Luana Alves, para quem o PDE promoveria o aumento do trânsito, incentivaria a construção de microapartamentos e prejudicaria as moradias populares.

 

Facebook

Publicações de maior destaque sobre o tema no Facebook
Período: de 01 a 28 de junho
Total: 1588 postagens em perfis, páginas e grupos públicos

Fonte: Facebook | Elaboração: Escola de Comunicação, Mídia e Informação da FGV

 

  • Políticos, páginas institucionais de São Paulo e perfis informacionais protagonizam o debate sobre o Plano Diretor no Facebook. Vereadores, como Rubinho Nunes (UNIÃO) e João Jorge (PSDB), protagonizam o coro à aprovação, enquanto deputados federais eleitos por São Paulo, a exemplo de Guilherme Boulos (PSOL) e Sâmia Bomfim (PSOL), criticam a proposta;
  • Veículos midiáticos se destacam ao noticiarem a pauta, com especial destaque para figuras politicamente relevantes no contexto da cidade. Reportagens que divulgam as críticas do atual ministro da Fazenda e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, geraram engajamento em posts de UOL, CBN e Diário do Centro do Mundo;
    Por sua vez, veículos informacionais e especialistas, como a página Educação e Território e a urbanista Raquel Rolnik, ficam em evidência ao divulgarem avaliações negativas em relação à proposta;
  • As publicações da Câmara Municipal de São Paulo também perpassam pelas várias etapas do processo de revisão do PDE, por vezes chamando a população para participar das Audiências Públicas ou informando sobre as aprovações de 31 de maio e 26 de junho. Como nas demais publicações analisadas, os comentários dos usuários se dividem entre críticas e elogios a pontos da proposta, bem como em relação à gestão e à figura política do governador Tarcísio de Freitas (REPUBLICANOS).

 

Instagram

Publicações de maior destaque sobre o tema no Instagram
Período: de 01 a 28 de junho
Total: 322 postagens em contas abertas

 

Fonte: Instagram | Elaboração: Escola de Comunicação, Mídia e Informação da FGV

 

  • Figuras políticas em alta no Facebook também protagonizam a repercussão sobre o tema no Instagram, com maior protagonismo de Rubinho Nunes (UNIÃO), Guilherme Boulos (PSOL-SP) e Tábata Amaral (PSB-SP);
  • Perfis variados da cena paulistana também se posicionam sobre o tema em torno do slogan “São Paulo não está à venda”. Com críticas à proposta, pode-se destacar as páginas da artista Thais Trindade, do jornalista André Trigueiro, da ONG Instituto Pólis e do veículo Alma Preta Jornalismo;
  • Em geral, as publicações reforçam posicionamentos antagônicos na defesa ou na crítica ao projeto. Nesse sentido, defensores, com protagonismo de vereadores, caracterizam a proposta como positiva para a modernização, incentivo à ocupação do centro e redução do déficit habitacional na cidade. Por outro lado, críticos, entre deputados, vereadores e perfis variados, falam em possível favorecimento de construtoras, incentivos à verticalização e falta de participação política e transparência;
  • No Instagram, os veículos jornalísticos também aparecem em destaque. Enquanto o Estadão fica em evidência com postagem que noticia a aprovação do dia 26, análises e reportagens variadas da Folha de São Paulo sobre a proposta também apresentam alto alcance na plataforma. É o caso de matéria sobre as mensagens do vereador Adilson Amadeu (UNIÃO) dirigidas à diretoria do Secovi-SP;
  • Com menções à reportagem da Folha, a perspectiva de que a votação do novo Plano Diretor seria uma suposta “compensação” pela aprovação à reeleição do prefeito Ricardo Nunes também repercutiu nas páginas de Tábata Amaral, que solicitou investigação no Ministério Público, e do também deputado federal Ricardo Salles (PL-SP), que fala em “uma mão lava a outra”.