15 jun

De quem é a culpa? Problemas e culpados em temas econômicos em tuítes de presidenciáveis

Atualizado em 23 de junho, 2022 às 3:21 pm

  • O debate sobre combustível e energia é o principal problema apontado em posts de presidenciáveis, seguido por emprego e pobreza e fome;
  • Jair Bolsonaro e o Governo Federal são responsabilizados em 43,4% dos posts que atribuíram um culpado específico; Paulo Guedes é mencionado em apenas 5,0%;
  • Em 62,6% dos posts, problemas foram tratados de modo vago, sem atribuição específica de culpa. Enquanto Bolsonaro foi o presidenciável que mais apontou culpados, Lula foi o que menos responsabilizou diretamente em posts sobre problemas econômicos;
  • Focado em divulgar medidas positivas sobre a economia, Bolsonaro é o que menos fala sobre problemas e aposta na responsabilização do lockdown em 50% das menções;
  • Nos posts em que atribui culpa, Bolsonaro e o Governo são os principais alvos de Lula; já Ciro culpabiliza Lula e Bolsonaro na mesma proporção;
  • Envolvida em pautas do Senado, Simone Tebet mira no Governo Federal e na gestão da Petrobras.

O debate sobre combustíveis e energia é o principal problema apontado em posts de presidenciáveis sobre economia, com mais de 30% das menções. É o que mostra levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP), que, entre 1º de março e 31 de maio, coletou 974 tuítes publicados nos perfis oficiais dos presidenciáveis Jair Bolsonaro (PL), Lula (PT), Ciro Gomes (PDT), e Simone Tebet (MDB) no Twitter.

Quando apresenta problemas, o presidente Jair Bolsonaro é o que mais atribui a culpa, nomeando os responsáveis pelos problemas econômicos do país. Estando à frente do Governo Federal e disputando a reeleição, esse movimento de exaltar as conquistas de seu governo e afastar a responsabilidade pelos problemas, atribuindo culpa a terceiros, pode ser considerado estratégico, uma vez que a não atribuição de culpados tende a recair sobre o próprio governo.

Lula, por sua vez, apresenta estratégia distinta, sendo o presidenciável que mais fala sobre problemas econômicos e, ao mesmo tempo, o que menos aponta culpados diretamente. O ex-presidente aposta em posts sobre combustíveis, emprego e pobreza, temas em que consegue articular as críticas com lembranças com os índices e números de seu governo.

Na área econômica, Ciro Gomes confirma a tentativa de se firmar como nome de terceira via, responsabilizando, na mesma frequência, Lula e Bolsonaro. O pré-candidato do PDT aborda o tema de combustíveis e energia em 45,4% das menções a problemas econômicos no Twitter.

Já Simone Tebet apresenta volume bem menor de posts. As publicações da pré-candidata do MDB são marcadas pela sua atuação no Senado, com menções a debates específicos ocorridos na casa e críticas à gestão da Petrobras.

Principais problemas econômicos em posts de presidenciáveis
Período: de 1º de março a 31 de maio

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Principais culpados por problemas econômicos em posts de presidenciáveis
Período: de 1º de março a 31 de maio

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Posts sobre economia e problemas econômicos entre presidenciáveis
Período: de 1º de março a 31 de maio

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

  • Ciro Gomes é o presidenciável com mais tuítes no período. No entanto, é Lula o pré-candidato que mais fala sobre economia e também sobre problemas econômicos. Com 43,6% de publicações sobre economia e 78,0% delas referente a problemas, fica clara a estratégia de Lula jogar luz para a questão econômica no debate eleitoral;
  • O presidente Jair Bolsonaro é o que menos aborda problemas quando fala sobre temas econômicos, preferindo postagens exaltando as medidas econômicas do governo e os bons índices. Já os três principais candidatos de oposição ao governo apresentam alta porcentagem de críticas em suas publicações sobre economia, oscilando entre 66,6% e 78,0%;
  • A baixa taxa de menções a problemas econômicos de Bolsonaro está associada a uma grande quantidade de publicações que destacam ações do governo para promover o desenvolvimento econômico. Ou seja, 75% das menções à economia no perfil de Bolsonaro focam em soluções e ações, buscando defender o legado de seu governo;
  • A presidenciável Simone Tebet tem pouca frequência de postagens na plataforma e isso se traduz nas postagens relacionadas a assuntos econômicos.

Problemas e culpados em posts sobre economia de Jair Bolsonaro
Período: de 1º de março a 31 de maio

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

  • Bolsonaro é o presidenciável que mais atribui culpados aos problemas econômicos que menciona em seu perfil no Twitter;
  • Os principais problemas econômicos citados pelo presidente Jair Bolsonaro, estão questões relacionadas ao aumento no preço dos combustíveis e o desemprego no país. O presidente também cita a Crise Econômica de forma geral, se referindo ao aumento no custo de vida e os índices econômicos de forma ampla;
  • Quando trata do aumento nos preços dos combustíveis, o presidente responsabiliza a gestão da Petrobras, chegando a criticar os aumentos no preço da gasolina e do diesel. A Guerra da Ucrânia também surge com um culpado quando o presidente fala sobre os fertilizantes;
  • O presidente também responsabiliza o Lockdown pela crise econômica, inflação e questões relacionadas ao emprego, falando da “turma do fica em casa” para se referir às pessoas que defendem o isolamento social no início da pandemia;
  • Os governadores também são responsabilizados, juntamente com a “turma do fica em casa” e a esquerda.

Problemas e culpados em posts sobre economia de Lula
Período: de 1º de março a 31 de maio

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

  • O ex-presidente Lula é o presidenciável que mais publica sobre problemas econômicos em termos absolutos e relativos. No entanto, chama a atenção o fato de o petista não atribuir um culpado específico em 77,6% desses tuítes;
  • Emprego, Pobreza e Fome e Combustíveis e Energia foram os três problemas mais mencionados pelo ex-presidente, somando 81,1% de suas publicações;
  • Os principais problemas apontados por Lula são usualmente acompanhados por menções aos índices e programas no seu período de governo;
  • No problema Emprego, destaca-se a alta presença de posts que apontam não somente o desemprego, mas também a precarização do trabalho, com menções críticas à legislação trabalhista aprovada após o impeachment de Dilma Rousseff. Paulo Guedes foi citado em apenas um tuíte tratando sobre a precarização do trabalho;
  • A atribuição de culpa em Jair Bolsonaro e no Governo Federal é majoritariamente associada ao problema de combustíveis e energia.

Problemas e culpados em posts sobre economia de Ciro Gomes
Período: de 1º de março a 31 de maio

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

  • Ciro é o presidenciável é o segundo que mais publica sobre problemas econômicos, somente atrás de Lula. No entanto, enquanto o petista não atribui um culpado específico em 77,6% dos tuítes, Ciro adota tom mais aberto em apenas 56,6% dos posts;
  • Excluindo a não atribuição de culpa, destaca-se o empate entre Lula e Bolsonaro, como principais culpados pelos problemas econômicos do país, com 19 menções a cada um;
  • Enquanto Lula é culpabilizado por sete problemas (Combustíveis, Crise econômica, Reformas, Sistema Financeiro, Emprego, Inflação e Endividamento) e apresenta maior dispersão entre a responsabilização em cada um deles; Bolsonaro é culpabilizado por seis (Combustíveis, Crise econômica, Reformas, Emprego, Inflação e Endividamento) e apresenta grande concentração de menções associadas ao problema de Combustíveis e energia;
  • Paulo Guedes foi responsabilizado em seis tuítes, também muito associado ao tema de Combustíveis e energia.

Problemas e culpados em posts sobre economia de Simone Tebet
Período: de 1º de março a 31 de maio

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

  • A presidenciável Simone Tebet tem como assuntos principais nas suas postagens sobre problemas econômicos, temas relacionados a combustíveis e energia e ao aumento da inflação. Dentro da temática dos combustíveis, a senadora dirige suas críticas ao governo federal e a gestão da Petrobras, falando sobre o terreno que doou a empresa quando era prefeita para uma fábrica de fertilizantes, que nunca teve as obras concluídas;
  • A inflação, fome, pobreza e desemprego também são citados pela presidenciável, que fala sobre as dificuldades da população e, em geral, não responsabiliza atores ou instituições de modo direto;
  • Apesar de atribuir a culpa ao governo federal, a senadora não cita o presidente Bolsonaro em seus conteúdos sobre problemas econômicos. Os outros presidenciáveis também não são mencionados por Tebet.

Metodologia

A coleta de posts dos presidenciáveis foi realizada por meio da API do Twitter, no dia 08 de junho de 2022. A primeira etapa da pesquisa foi a aplicação de um filtro linguístico para identificar posts que faziam menção a temas econômicos. Em seguida, esses posts foram classificados entre os que se referiam a problemas e os que faziam menções sobre ações na área econômica, seja no atual governo ou em governos passados. Finalmente, os posts classificados como problemas foram analisados a partir da identificação do problema dos quais se ocupavam e das atribuições de culpa. No total, 307 posts foram classificados.

Posts com mais de um problema e um culpado tiveram todas as menções contabilizadas. A culpabilização foi definida pela menção explícita a um ator/instituição/órgão. Por exemplo, menções ao Governo Federal não foram associadas automaticamente como menções a Jair Bolsonaro; ou então, menções ao PT não foram associadas diretamente a Lula. A identificação dos problemas e culpados seguiu uma lista inicial, que serviu como base para a incorporação de nomes não previstos. Ao final, uma nova rodada aglutinou problemas associados em temas mais amplos, visando facilitar a leitura dos dados. Abaixo, encontra-se o detalhamento dos temas que compõem os problemas listados:

Combustível e Energia – aumento no preço dos combustíveis, gasolina, gás natural, diesel, privatização da Petrobras e Eletrobras, crise de fertilizantes, crise energética;
Crise Econômica – recessão econômica, queda nos indicadores de desempenho econômico, críticas amplas a “crise”, citando outros problemas econômicos;
Emprego – desemprego, precarização do trabalho, queda na geração de empregos;
Endividamento – aumento do endividamento, dificuldade de pagar dívidas;
Inflação – aumento da inflação;
Pobreza e Fome – Pobreza, desvalorização do salário mínimo, insegurança alimentar, miséria e fome;
Reformas Econômicas – Teto de gastos, reforma da previdência, reforma tributária, críticas ao sistema tributário e a distribuição do orçamento público;
Sistema Financeiro – setor bancário, banco central, mercado financeiro e juros;
Internacional – dívida externa, problemas resultantes de guerras internacionais e demais problemas econômicos que citam atores internacionais;