28 abr

Bolsonaro e Lula investem em “lacres”, memes e ironia para alavancar engajamento

Atualizado em 10 de maio, 2022 às 4:43 pm

  • Enquanto petista brinca com sua própria imagem, o presidente aposta em ironias com adversários políticos;
  • Apesar do pouco espaço partidário para candidatura, Moro segue como um dos nomes com maior alcance entre os perfis de centro-direita;
  • Grupos de oposição a Bolsonaro somam mais de 55% dos perfis, mas o conjunto de apoio ao presidente é mais ativo e concentra mais de 58% das interações.

Em busca de engajamento, os principais pré-candidatos à presidência, Bolsonaro e Lula têm investido em publicações e comentários irônicos e humorísticos nas plataformas de mídias sociais. É o que mostra levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP), que entre 04 e 24 de abril, identificou mais de 37,7 milhões de interações e visualizações nos perfis, páginas e canais dos presidenciáveis Jair Bolsonaro (PL), Lula (PT), Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB), Simone Tebet (MDB) e Eduardo Leite (PSDB), no Twitter, Facebook, Instagram e YouTube.

Bolsonaro e Lula seguem como presidenciáveis com maior alcance de interações no Twitter e Instagram, oscilando entre momentos de pico associados a publicações isoladas. No Facebook, Bolsonaro segue em grande vantagem em volume de interações. Já Ciro segue na liderança do YouTube, com destaque para vídeos que promovem a campanha #TaNaHoraDeVocêOlharProCiro. A discussão entre Anitta e Bolsonaro e os posts da cantora sobre as estratégias de comunicação digital do presidente geraram um conjunto anti-bolsonaro ligado a páginas de entretenimento e reações nos grupos de esquerda e centro-esquerda. Já o indulto a Daniel Silveira (PTB-RJ) aqueceu a base de apoio a Bolsonaro no fim do mês e gerou duras críticas dos presidenciáveis Ciro Gomes e João Doria.

Embora as linguagens adotadas pelos campos políticos nas redes sociais tenham em comum a ironia, a “lacração” e os memes, os padrões de interações mobilizadas pelos perfis de cada lado parecem sinalizar estratégias distintas de articulação e diálogo com os interlocutores.

Por um lado, as publicações do campo da esquerda se espalharam entre um público mais diversificado, o que pode sinalizar para uma estratégia de construção de pontes com interlocutores tradicionalmente não interessados em política. Neste caso, a adoção da linguagem e de determinados comportamentos comunicacionais das redes sociais operam como instrumentos de aproximação com os mais jovens e mais ativos nestes ambientes. O “lacre” configura-se aqui como um atalho para os corações e mentes dos novos públicos que orbitam as arenas digitais de comunicação política.

Por outro lado, no campo da direita, a concentração de uma maior taxa de engajamento entre poucos usuários sinaliza para uma posição de fortalecimento de relações já estabelecidas e consolidadas entre os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. A estratégia, neste caso, seria continuar a utilizar a linguagem das redes sociais digitais com objetivo de municiar os interlocutores, de forma condensada, com argumentos e interpretações sobre os principais fatos políticos do período.

Entre os presidenciáveis que se esforçam para emplacar como terceira via, a adoção das estratégias de comunicação política nos ambientes digitais oscila entre uma ou outra mensagem que investe em um enquadramento mais acessíveis ao novos públicos políticos e um discurso duro, direto e crítico aos polos em disputa que lideram as pesquisas eleitorais.

Debate geral

Mapa de interações de menções a presidenciáveis no Twitter
Período: de 04 a 26 de abril

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Vermelho ‒ 37,53% dos perfis | 30,27% das interações
Conjunto formado por perfis, ativistas e políticos de esquerda, com forte influência do ex-presidente Lula. O grupo foi o que mais reuniu perfis no período, mas o volume de interações foi bem menor do que o do grupo alinhado à direita. O pré-candidato pelo PT publicou os tuítes com mais interações do conjunto, com destaque para posts que fizeram brincadeiras sobre sua imagem. As críticas a Bolsonaro e memórias do seu governo também foram destaque, assim como o anúncio oficial da chapa com Geraldo Alckmin. Entre os atritos internos, destacam-se publicações de perfis progressistas que criticaram a ausência de negros e mulheres no registro da formalização da aliança entre Lula e Alckmin.

Azul ‒ 35,23% dos perfis | 58,63% das interações
Grupo formado em torno do presidente Jair Bolsonaro. Aproximou-se do volume de perfis do conjunto associado a Lula e reuniu quase 60% das interações no debate sobre presidenciáveis no período, o que demonstra grande atividade entre os perfis. O presidente Jair Bolsonaro foi responsável pelos tuítes com maior número de interações do grupo. Entre as principais publicações, destacam-se diversos anúncios de obras e divulgações de ações do governo na área energética e de segurança. Nota-se, no entanto, a presença de posts que criticam, de modo irônico, adversários do campo da política e da cultura.

Rosa ‒ 12,87% dos perfis | 2,98% das interações
Grupo formado em torno de celebridades, perfis jovens e páginas de entretenimento que se engajaram em temas políticos no período. As principais publicações do grupo mostram que há posicionamento contrário à gestão de Jair Bolsonaro, ainda que os posts não necessariamente declarem apoio a um dos outros pré-candidatos. A cantora Anitta obteve grande destaque após discutir publicamente com Bolsonaro na plataforma e publicar tuítes que interpretaram as novas estratégias de comunicação digital do presidente. A cantora foi apoiada por figuras políticas como Ciro Gomes e Gleisi Hoffmann.

Verde ‒ 3,79% dos perfis | 2,73% das interações
Conjunto formado por perfis alinhados a candidaturas de centro-direita, com destaque para lideranças como o pré-candidato do PSDB, João Doria, e o ex-ministro Sergio Moro. O ex-governador de São Paulo aproveitou fatos políticos como o debate sobre o sigilo decretado para documentos do governo e o indulto do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) para apontar ações caso seja eleito. Há, no entanto, muitas publicações que criticam sua atuação pública, com destaque para perfis alinhados a Bolsonaro. Sergio Moro, por sua vez, segue capaz de gerar engajamento na rede, em especial, a partir de respostas a críticas de adversários políticos. Entre os perfis do grupo, notam-se publicações que entendem que a candidatura de Moro está sendo boicotada pelos partidos.

Laranja ‒ 2,93% dos perfis | 3,96% das interações
Grupo formado por perfis de centro-esquerda reunidos em torno do pré-candidato do PDT, Ciro Gomes. Ciro foi o perfil com com maior centralidade no conjunto e estruturou sua atuação em três principais narrativas: i) dura condenação à decisão do presidente Jair Bolsonaro de conceder indulto ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ); ii) críticas ao silêncio de Lula em relação ao episódio; e iii) o lançamento de vídeos com a campanha #TáNaHoraDeVocêOlharProCiro.

Principais tuítes dos grupos no mapa de interações
Período: Período: de 04 a 26 de abril

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Debate sobre o caso Daniel Silveira

As menções sobre o caso Daniel Silveira no debate sobre os presidenciáveis no Twitter somaram mais de 447 mil tuítes, com pico de mais 100 mil tuítes às 18h do dia 21 de abril, momento em que o indulto foi concedido pelo presidente Jair Bolsonaro. O debate sobre o caso Daniel Silveira ocupou 9,2% das interações totais do debate sobre presidenciáveis. O conjunto de direita foi o que obteve maior volume relativo de interações sobre o tema, sendo seguido pelo conjunto de esquerda ligado ao ex-presidente Lula. O silêncio do ex-presidente Lula em relação ao caso foi duramente criticado por perfis dos grupos associados à centro-direita e ao pré-candidato do PDT, Ciro Gomes. O engajamento em relação ao caso, no entanto, foi relativamente menor nesses grupos do que no conjunto alinhado ao petista.

Mapa de interações de menções ao caso Daniel Silveira no debate sobre presidenciáveis no Twitter
Período: de 04 a 26 de abril

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

Vermelho ‒ 7,72% das interações
Conjunto formado por perfis e influenciadores alinhados a partidos de esquerda, com destaque para o PT e o PSOL. O debate sobre o caso Daniel Silveira ocupou 7,72% das interações do grupo e apresentou tom fortemente crítico em relação à decisão do presidente Jair Bolsonaro de conceder indulto ao parlamentar. As menções se dividiram em três principais argumentos: i) recordações da atuação do PT em momentos de derrotas judiciais, destacando o respeito à institucionalidade; ii) apontamentos sobre o possível salvo conduto para que apoiadores de Bolsonaro ataquem as instituições e autoridades; e iii) compartilhamento de vídeos e declarações de Bolsonaro condenando a possibilidade de indulto a Lula, caso Haddad fosse eleito em 2018, e textos que defendem que Bolsonaro tem histórico de conivência com corrupção.

Azul ‒ 11,24% das interações
Grupo com maior porcentagem de interações associadas ao caso Daniel Silveira. Foi formado por perfis de influenciadores e políticos de direita que celebraram a decisão do presidente Bolsonaro de conceder o indulto ao parlamentar, após a decisão do STF de condená-lo a mais de 8 anos de regime fechado. A decisão foi enquadrada como uma defesa da liberdade de expressão e da Constituição, contra avanços ilegítimos e perseguições do STF. Duas outras sub narrativas também figuraram entre as principais publicações: i) recordações sobre declarações de Ciro Gomes e Manuela D’Avila sobre a intenção de dar um indulto a Lula caso eleito presidente em 2018; ii) debates e acomodações em relação ao voto do ministro André Mendonça, que também condenou, com uma pena menor, Daniel Silveira.

Laranja ‒ 2,81% das interações
Base formada em torno do pré-candidato do PDT, Ciro Gomes. Destaca-se a centralidade de Ciro na condenação da decisão de Bolsonaro em indultar Daniel Silveira, anunciando a intenção do partido em propor medidas judiciais para reverter a decisão. Entre os apoiadores do pedetista, no entanto, os tuítes com mais interações foram marcados críticas sobre o silêncio do ex-presidente Lula em relação ao caso.

Verde ‒ 2,73% das interações
Conjunto em torno de perfis e políticos associados à centro-direita, com destaque para o pré-candidato do PSDB, João Doria. No tuíte com mais interações do grupo, o ex-governador de São Paulo afirmou que, caso eleito, não concederia indultos e também acabaria com benefícios de “saída da prisão” de presidiários. Entre os perfis apoiadores, destacam-se posts que desconfiam do prosseguimento e consolidação do indulto, além de projeções sobre uma possível naturalização da prática por parte de outros governos, principalmente de esquerda. O STF também foi alvo de críticas, com lembranças e críticas sobre sua atuação nos julgamentos que resultaram na soltura e elegibilidade de Lula.

Rosa ‒ 0,55% das interações
Grupo formado por celebridades, perfis jovens e ligados ao entretenimento. Apresentou baixo engajamento em relação ao indulto concedido a Daniel Silveira. Entre os poucos tuítes que mencionaram o caso, destacam-se mensagens que se questionam sobre a opinião de celebridades como Anitta e Felipe Neto.

Interações em perfis de presidenciáveis

Evolução de interações nos perfis de presidenciáveis no Twitter
Período de análise: de 04 a 24 de abril | Agregado por semana

Fonte: Twitter | Elaboração: FGV DAPP

  • Após semanas de queda, o presidente Jair Bolsonaro teve leve recuperação no número de interações no Twitter e voltou a liderança entre os presidenciáveis. Entre as postagens com maior interação, podemos destacar um conteúdo rindo de uma postagem em que Lula anuncia Geraldo Alckmin como seu vice e o anúncio do decreto que concede graça à Daniel Silveira;
  • O ex-presidente Lula teve uma queda acentuada no número de interações na plataforma durante as primeiras semanas do mês, registrando menos de 20 mil retweets e curtidas entre os dias 9 e 10 de abril. O número de interações do presidenciável voltou a crescer a partir do dia 16. Os posts com maior engajamento na plataforma são aqueles que utilizam o humor;
  • O presidenciável Ciro Gomes segue com o número de interações estável. Com a saída de Sérgio Moro da disputa pelo pleito, o ex-ministro segue isolado como terceiro nome com maior número de interações no Twitter.

Facebook

Evolução de interações nos perfis de presidenciáveis no Facebook
Período de análise: de 04 a 24 de abril | Agregado por semana

Fonte: Facebook | Elaboração: FGV DAPP

  • No Facebook o presidente Jair Bolsonaro segue na liderança, tendo quase 5 vezes mais interações que o segundo colocado, o ex-presidente Lula. A postagem com o maior volume de interações foi o anúncio do decreto presidencial que concedeu graça à Daniel Silveira, com 496.059 interações. Na plataforma, o presidente tem mais engajamento com conteúdos que anunciam agendas públicas e programas do Governo Federal;
  • As interações com o presidenciável Lula tiveram leve queda, após semanas de crescimento no Facebook. Apesar de ter apresentado um volume menor de interações por semana – entre 700 a 900 mil – o desempenho do ex-presidente ainda é superior, se comparado com o início do ano. Na plataforma, Lula segue tendo melhor resultado em postagens com agendas de pré-campanha;
  • Os demais candidatos seguem com número de interações estável na plataforma. Ciro Gomes se destacou com conteúdos mais leves, enquanto João Dória comentou a graça concedida à Daniel Silveira.

Instagram

Evolução de interações nos perfis de presidenciáveis no Instagram
Período de análise: de 04 a 24 de abril | Agregado por semana

Fonte: Instagram | Elaboração: FGV DAPP

  • No Instagram, o presidente Jair Bolsonaro tem o dobro do número de interações do ex-presidente Lula. O maior pico de Bolsonaro é no dia 16 de abril, em um conteúdo que reproduz um tweet citando a cantora Anitta. Na plataforma, observa-se maior engajamento em conteúdos irônicos e que citam adversários políticos e opositores;
  • Apesar de ter um número menor de interações com relação ao presidente Bolsonaro no acumulado por semana, o ex-presidente Lula teve conteúdos com alto volume de interações ao longo do período analisado. Novamente, podemos observar conteúdos com tom mais humorístico ou pessoal, como uma foto do ex-presidente de óculos espelhados e na academia;
  • Ciro Gomes, Eduardo Leite e João Dória tiveram um total de interações muito similares, oscilando em diversos momentos ao longo das semanas na terceira posição em interações. O maior pico foi de uma postagem de Eduardo Leite falando do desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro.

YouTube

Evolução de interações nos perfis de presidenciáveis no YouTube
Período de análise: de 04 a 24 de abril | Agregado por semana

Fonte: YouTube | Elaboração: FGV DAPP

  • Apesar de ainda se manter na primeira colocação durante boa parte do período analisado, o presidenciável Ciro Gomes perdeu sua vantagem com relação a Jair Bolsonaro e teve queda significativa no volume de interações após a semana do dia 18 de abril. Os dois vídeos de maior destaque do presidenciável – com cerca de 300 mil visualizações – criticam Lula e Bolsonaro e apresenta Ciro como uma terceira opção;
  • O presidente Bolsonaro se recupera e ultrapassa o presidenciável Ciro Gomes em número de interações através das lives semanais e com o pronunciamento em que anuncia a graça concedida a Daniel Silveira;
  • O ex-presidente Lula também teve queda no número de interações no YouTube, atingindo pouco mais de 500 mil visualizações, metade do número de interações do período anterior.